Psicoterapia para idosos
Através de vídeo, áudio e chat ou visita domiciliar
Automotivação, Utopia ou Realidade?

Por que não conseguimos nos manter automotivados?

Objetivos:

Levar o leitor a refletir sobre como manter-se automotivado diante de tantas adversidades, sejam elas profissionais ou pessoais.  Percepção das muitas mudanças ao mesmo tempo, não só tecnológica como também, valores éticos, morais, espirituais e etc. Atenção quanto ás informações que nos chegam, muito rapidamente ao consciente, tendo o cuidado no processamento destas porque podem desestabilizar tudo que já existe no inconsciente causando confusão e desconforto.


Introdução:- A parábola do “Anel do Professor”. Um conto sobre a necessidade de identificar e perceber como os mercados externos influenciam uma auto-percepção e auto-valorização.

Armazenando informações:- Relatos sobre os comportamentos exibidos pelas pessoas e as doenças como depressão e estresse ocasionadas pelas mudanças de hábitos e pensamentos deste século. A memória, armazenamento de informações, como um dos fatores responsáveis por nossas atitudes futuras, e que preservam historicamente um conteúdo adquirido, aprendido ou não, mas que nos levarão á um destino implacável. Cito o caso de um dos animais que, segundo pesquisadores, possui uma memória privilegiada diante do reino animal, o elefante, e o seu condicionamento para apresentações no circo.

Atitudes:- Refletir sobre “os por quês” e a importância das atitudes, como previsores de comportamentos e como estão relacionadas com o que as pessoas pensam, sentem e como agem. Mencionar quais são os elementos fundamentais nas atitudes para uma melhor compreensão do fenômeno da motivação.

Mudança de atitude:- Imperativo em nosso tempo. Faço uma analogia como uma mudança de atitude e uso como exemplo um  “Cubo de Gelo”, na passagem de seu estado físico concreto para o estado “líquido” como uma possível adaptação as novas circunstâncias.  O processo de mudanças nas pessoas e como ocorrem dentro dos três componentes da atitude; cognitivo, afetivo e comportamental com relato de experiências pessoais. O tempo, como fator influenciador, interferindo no processo de mudanças. Os paradigmas como possíveis bloqueadores na busca de uma mudança de atitude e também faço um paralelo com os comentários de C. Jung.

A influência do inconsciente:- Carl Jung considerava o inconsciente uma parte importantíssima na psique humana. Nos Arquétipos, conteúdos do Inconsciente Coletivo, estão adicionadas informações importantes para a nossa conduta e utilizo uma “Porta de Geladeira” para exemplificar. O Self  passa a ser o centro da personalidade, adicionando o inconsciente coletivo. Cito alguns registros no inconsciente e algumas influências negativas gravadas em nossa mente: Desapontamentos, Baixa Auto-Estima, Comparações Injustas, Hiperatividade Mental e Metas Inadequadas.

As partes da pessoa:- De uma forma metafórica é apresentado às quatro partes principais da mente humana:– Espiritual, Mental, Emocional e Física. Confirmar a tese de que a imaginação tem grande influência no inconsciente e citar uma técnica terapêutica de Carl Jung quando aplica a “Imaginação Ativa”. Mencionar os cinco aspectos mais importantes que influenciam o inconsciente: Imaginação, Metas, Princípios Espirituais, Memória e Hábitos.

A auto-imagem e o inconsciente:- Menciono a tese básica da psicologia da auto-imagem. Razões para não se deixar influenciar negativamente pelas pessoas. Cito os quatro pontos principais para auto-aceitação: Aparência, Capacidade, Família e Criação.

Influência nos temperamentos:- Conceituar dentro da psicologia o termo temperamentos. De uma forma metafórica dividir e conceituar os temperamentos em quatro categorias básicas: Colérico, Fleumático, Melancólico e Sanguíneo. Citar exemplos de temperamentos considerados opostos e como entendê-los para melhorar a convivência com estas pessoas.

Vamos conhecer qual é o seu temperamento?:- Apresentação de um instrumento de diagnóstico sobre temperamentos. O leitor poderá responder as questões do teste, fazer a tabulação e chegar ao resultado utilizando o próprio livro. A análise reflexiva poderá ser complementada no próprio livro.

Mudança de atitude e comportamento nas organizações:- Como iniciar um processo de mudanças dentro de uma empresa. Mencionar e detalhar o modelo de processo de mudança, Kurt Lewin e Schein, saindo da situação atual para a situação desejada. Citar as resistências das pessoas no processo de mudanças, tentando manter seus mapas e a necessidade de se utilizar as gestões de desconforto e conseqüências para haver uma mudança significativa. Mencionar as características das pessoas em fase de transição em uma mudança comportamental ou organizacional.

Pontos importantes:

Ninguém pode mudar ninguém a não ser que a pessoa queira, e se não for assim, sempre existirá uma resistência, seja explícita ou velada.
Uma mudança de atitude é a razão principal para se alcançar a felicidade e o sucesso na vida, seja ela pessoal ou profissional.

Paulo Domingues

Autor